Zona Neutra: Moral as avessas

 

Aparentemente, dá para “cancelar” alguém por gostar de frio.

 

Com essa frente fria que veio e derrubou os termômetros, entramos na fase da vida onde os calorentos de plantão acham por bem cancelar quem acha incrível andar de chapéu e casaco por aí.

 

Há uma terceirização da responsabilidade, onde ao invés de cobrar os mais de 55mil representantes eleitos do país, o cidadão acha que o problema dos moradores de rua se solucionará com uma mudança de opinião pessoal.

 

Animais de rua existem por falta de políticas de castração e a população manter seus animais dentro de casa. Pessoas em situação vulnerável existem por falta de políticas públicas, casa, emprego e alimentos.

 

Se eu passar a gostar de calor nesse segundo, como num estalar de dedos, as pessoas terão casa e comida? Não né.

 

O que os “canceladores” tem que entender, é que opiniões pessoais que não machuquem a integridade das pessoas, são apenas opiniões. Se a pessoas está sendo racista, homofóbica, xenofóbica ou nazista, dou total apoio ao cancelamento. Mas cancelar quem gosta de frio é um pouco além.

 

Talvez o mais importante, seja entender o quanto o seu cancelamento afeta o psicológico da pessoa, e o quão errada ela se sente por isso. Pessoas com ansiedade reagem diferente das demais e ao invés de largarem para lá, podem entrar em crise por sentirem que estão ferindo outra pessoa.

 

A empatia que tanto pedimos, é para que qualquer ser humano e suas diferenças sejam respeitadas, se elas não machucarem ninguém.

 

Pedir empatia com a situação dos menos afortunados no frio e esquecer que o outro pode ter problemas invisíveis não faz de você um ser humano melhor, mas sim um daqueles que você detesta.

 

Vale sempre a pena colocar a mão na consciência e pensar no quanto a gente afeta o outro com nossa militância às avessas, como podemos ferir uma pessoa por nos colocar sob o pedestal do certo e errado.

 

Como brasileiros, temos que pensar no quão pouco cobramos os verdadeiros responsáveis pelo desemprego, fome e miséria que assola o país, e o que podemos fazer para ajudar no nosso dia a dia.

 

Mas te garanto, nobre paladino da moral torta, que ao invés de cancelar minha toquinha, você faria um bem enorme se voltasse essa energia para o perfil do governador, ou até quem sabe, do presidente.